Diagramação – Que Raio de Negócio é Esse? Com Ayumi Teruna

Diagramar por conta, pode ser desgastante e mal feito pode fazer você perder vendas.

Saber diagramar um livro é fundamental para escritores e mesmo assim, é impressionante como muitos decidem contratar alguém para fazê-lo ao invés de fazer por si próprio.

Por isso contatei a querida Ayumi Teruna uma das integrantes do Projeto Escrita Criativa e diagramadora profissional para conversar sobre o tema. Leia a entrevista abaixo:

Fale um pouco sobre você

Atualmente sou estudante de Psicologia na Universidade de Buenos Aires e trabalho com diagramação, criação de capa, mentoria para escritores e imagens publicitárias para redes sociais. Até o dia de hoje, foram aproximadamente 50 livros de diferentes formatos, para diferentes plataformas e gráficas. 

Ayumi Teruna

Publiquei meu primeiro livro de maneira independente em 2014, atualmente esse livro não está mais disponível porque precisa passar por algumas mudanças. Depois disso participei de diferentes edições da Revista Avessa de 2015 a 2017, participei de diferentes antologias como: “Entre Amigos” da Editora Sinna, “O fim vem das estrelas” da Editora Litere-se, “Fantásticos!” da Editora Sinna e “O que elas contam?” da Cartola Editora. Em 2018 lançamos a primeira antologia do Projeto Escrita Criativa, a Amor e Resiliência, que contém textos meus e de outros participantes do projeto. E mais recentemente lancei dois livros, o “Relatos de uma BR em Buenos Aires” que é um compilado de crônicas cômicas sobre a minha vida na Argentina, com uma pegada chick-lit, também lancei o “Cuando te amé”, um livro em espanhol com poemas e textos curtos sobre o amor e participei da sétima edição da Revista Matilda.

A Ane Venâncio, a Fernanda Rodrigues e eu somos as fundadoras do Projeto Escrita Criativa que surgiu dia 4 de maio de 2015, quando várias blogueiras se decidiram unir contra o bloqueio criativo. Atualmente temos três frentes ativas: a Blogagem Coletiva, o Desafio Criativo e os Projetos Esporádicos em que os escritores podem exercitar a escrita. Além disso, temos o YouTube com diferentes tipos de vídeo, desde lives respondendo a perguntas até vídeos de autores compartilhando suas experiências.

O que é diagramação? Qual a diferença entre físico e e-book?

A diagramação consiste em toda a parte gráfica do miolo do livro, em que o diagramador transforma o conteúdo do arquivo de texto em um layout mais agradável para os leitores. 

Sobre a diagramação de livro físico e de e-book, ambos os livros podem possuir o mesmo conteúdo, porém são formatos diferentes que exigem diagramações específicas de acordo com a necessidade de cada plataforma. Não é o mesmo trabalho uma diagramação em papel e a diagramação de um livro para ser lido em uma tela. É sempre importante saber que um e-book possui funcionalidades que não existem para o livro físico, como poder aumentar ou diminuir a letra do texto. As diferenças existem desde a escolha da fonte, a numeração da página e outros detalhes. O formato e tamanho também mudam. No canal do Projeto temos um vídeo onde ensinamos a diagramação básica de um livro físico, onde passamos pelas principais configurações. (https://www.youtube.com/watch?v=HVaiW7ZRPAc). Lá também falamos sobre a formatação de e-books.

Cada editora tem um padrão diferente de diagramação

Sim, depende muito do formato do arquivo do livro que eles trabalham, da gráfica que utilizam, também das medidas finais (altura e largura) do livro. A diagramação também vai depender do tema de cada história, não é o mesmo uma diagramação de livro infantil e a de um livro sobre direito. Cada uma possui um padrão específico e as suas variações de acordo com as necessidades que apresentarem.

Faixa de preço. Qual é a diferença – ou margem – de preço entre a diagramação de ebook e físico? 

A faixa de preço varia bastante porque depende do tamanho do livro, da complexidade da diagramação (não é o mesmo um livro somente com texto e um livro com imagens, gráficos e tabelas). Esse valor também varia dependendo do prazo de entrega. Cada profissional costuma escolher o valor com o qual trabalha, já que não há uma regularização padrão. Existem diferentes tabelas com uma média de valores como a ABRADI, ADEGRAF, SINAPRO entre outros, que o diagramador pode ou não seguir. Outro ponto que influencia é a experiência do profissional na área. Quanto mais experiente ele for, maior tende ser o valor de mercado do trabalho dele. Isso se aplica também para a diferença entre o físico e o e-book. No caso do e-book, o valor vai depender do formato (epub, e-mobi, PDF, KPF…) e da experiência do profissional com esse formato. Não é possível dar uma média de valor, já que cada profissional leva em consideração todas essas variantes ao fechar o seu orçamento.

Por que é tão mais difícil diagramar um livro físico do que um e-book?

O livro físico exige mais detalhes que um e-book, porque não é somente a parte do design que influencia o resultado final, mas também o tipo de papel que será usado, o tamanho do livro, se será um livro colorido ou não e todo o processo de impressão (que exige algumas provas). Por isso que o livro físico parece mais complexo que o e-book. Entretanto, se o e-book exigir mais do que texto na tela, ele pode sim, envolver outros processos que tornam a diagramação mais complicada.

O que preciso saber para poder diagramar um livro? Dicas.

É muito importante entender que um trabalho profissional deve ser feito no dispositivo e no aplicativo adequado (nada de tentar diagramar um livro em um notepad, por exemplo ou no bloco de notas do celular). Cada detalhe presente na diagramação tem um motivo para estar ali, por isso é muito importante estudar ou pesquisar antes. Um exemplo que sempre damos é o do o uso de fontes, como já comentamos nesse artigo do nosso site (http://www.projetoescritacriativa.com/2020/11/melhores-fontes-para-o-seu-livro-e.html). A diagramação não é somente colocar enfeites, é saber entender e planejar exatamente qual é o melhor formato para tornar a leitura mais prazerosa para o leitor e vendável para o autor/editora. A minha dica seria procurar cursos, vídeos ou artigos na internet para aprimorar essa habilidade. Estudar sempre!

Como funciona a escolha de fontes nos e-books?

Para arquivos digitais ou qualquer texto que seja lido em uma tela, o ideal é sempre uma fonte sem serifa para um melhor conforto do leitor. Sobre a fonte escolhida, depende de muitos fatores. Depende se a plataforma aceita a fonte, se ela não possui suas próprias fontes (e costuma converter todos os arquivos para as próprias fontes padrão), depende do formato do arquivo (se é KPF, e-mobi, epub…), depende se as fontes foram bem incorporadas no arquivo.

Existem aplicativos que possam ajudar nessa tarefa? Quais?

O programa mais utilizado pelos diagramadores é o InDesign, uma ferramenta criada especialmente para designers que permite realizar a diagramação de revistas, livros, comic books… Para edição de imagens que devem estar presentes no livro, existe o Photoshop ou o Illustrator. 

Últimas considerações a respeito de diagramação.

A diagramação é um trabalho que deve ser feito com muito cuidado. Além de passar por diferentes revisões, é importante ter em mente que tudo o que é feito é aquilo que chegará nas mãos dos leitores, sendo assim, qualquer erro pode ser fatal ou atrapalhar a leitura. Uma diagramação ruim, a exemplo de uma  com fonte muito pequena, pode fazer com que o leitor desista de ler o livro, não pelo conteúdo, mas sim pela dificuldade ao realizar a leitura. Outra coisa importante é perguntar os mínimos detalhes para o autor/editora que pede o serviço, porque pode acontecer dele pedir uma diagramação sem especificar o local ou formato de publicação, você terminar o trabalho e depois ele dizer que publicará em uma plataforma que não aceita o formato ou tamanho de livro que você diagramou previamente. A relação com o cliente é sempre importante. 

Outra coisa sobre a atenção na hora de diagramar, é ter certeza de que ao selecionar o texto, não foi excluída nenhuma parte do livro, como a autora Elizza Barreto conta nesse vídeo do Compartilhando Experiências: https://www.youtube.com/watch?v=Ug5MMv1XtmM 

Onde posso te encontrar para contratar seus serviços e ter mais informações sobre seus livros?

Vocês podem encontrar mais sobre os serviços que ofereço no meu site, além de verem algumas amostras de trabalhos que já realizei: https://ayumiteruya.com/servicos/ e demais serviços editoriais em https://www.projetoescritacriativa.com/p/servicos.html 

Atualmente tenho dois sites, um é um blog pessoal onde compartilho coisas mais pessoais como textos, DIY’s e receitas (www.pandinando.com) e tenho um site profissional onde os clientes podem encontrar um pouco mais sobre mim, os serviços que ofereço com imagens de trabalhos que já fiz, informações sobre meus livros, notícias e também um espaço onde estarei publicando materiais para escritores. (www.ayumiteruya.com).

Quero agradecer pela oportunidade de conceder essa entrevista. Espero que tenham gostado e aprendido um pouco mais sobre do que se trata a diagramação de um livro.

Obrigada Ayumi pela entrevista!

Agora a todos leitores espero que tenha sido produtivo! Para mais dúvidas, deixem nos comentários abaixo!

Até a próxima!

Janeiro – Resenha de “Paper Wife”

Nome do livro: Paper Wife

Autor(a): Laila Ibrahim

Publicado: Outubro de 2018

Editora: Lake Union Publishing

Linguas disponives: Só em Inglês (por enquanto)

Ler um drama.

Muito difícil para mim. Sinceramente. Mas… a verdade é que, foi muito difícil não me apaixonar por Mei Ling. Me vi simplesmente querendo arrancar ela de cada situação.

O ano é de 1923 e a história é contada em terceira pessoa onisciente. A família de Mei Ling, viviam na Provincia de Guangdong e devido a Revolução Chinesa, sofriam por causa das guerras, fome e pestes.

A única forma que Mah-ma e Fuchan – os pais dela – pensaram em fazer foi casar a filha mais velha Jah Jeh, em uma tentativa para que todos tivessem uma chance de vida melhor.

A história começa com um encontro com a Matchmaker (a casamenteira). Ela explica sua proposta e apesar do desconforto de saber que Jah Jeh teria que se passar por outra pessoa e se mudar para os EUA, aceitam.

No dia do casamento, Jah Jeh fica muito doente a ponto de, para surpresa e infelicidade de Mei Ling, a casamenteira propor que Mei Ling tome o lugar de sua irmã no casamento.

A escritora apresenta um pouco da história de cada um dos personagens sem tirar o foco completamente de Mei Ling. E o legal é que você acaba levando essas lembranças junto com ela durante o percurso da história, dando uma sensação de uma lembrança antiga, o sentimento de saudade.

A jovem família viaja a navio para os Estados Unidos. Mei Ling com um nome diferente, um marido misterioso, e madrasta do filho dele de dois anos, rumo a um destino inesperado e surpreendente.

Durante a viajem ela conhece Siew, uma menina de seis anos que mexe com suas emoções, depois de descobrir que ela seria dada como prostituta quando viesse a idade. Mei Ling se sente na obrigação de ajudá-la a todo custo.

O ambiente, a descrição da cidade, a forma como ela trata imigração e até quando ela fala sobre a prostituição, são embriagantes e vívidos. Muitas vezes senti meu estomago embrulhar com cada situação dessa menina, e muitas outras vezes não consegui deixar de me emocionar com o livro.

Apesar da Mei Ling ser uma personagem completa e muito amável, meu personagem favorito é o marido dela Chinn Kai Li. Um homem calado, misterioso, mas… então… Vocês têm que ler a história porque o que não quero fazer aqui é spolar. hahaha

Esses são meus pensamentos a respeito do primeiro livro do meu desafio de leitura! No próximo post mostrarei um pouco sobre o gênero Drama e suas características.

Já estou lendo o segundo!

Até a próxima!

Desafio de leitura 2021

Desafio

Me pediram para escolher uma palavra – qualquer palavra – para descrever meu ano de 2021. E essa foi a minha. Criei uma série de desafios e metas para mim esse ano e esse desafio de leitura é mais um – Apesar de 18 dias atrasada.

Eu sei que é meio clichê, mas como dizemos aqui nos States: what the heck.

Esse ano resolvi me aprofundar nas diferenças entre gêneros e subgêneros. E dito isso, esse ano quero ler 12 livros de gêneros diferentes e ao final de cada livro, contar minha experiência com o gênero e com o livro. Quero descrever qualidades e
características do gênero para, de uma certa forma, construir fronteiras entre
elas e mostrar também como elas se cruzam – muito comum hoje em dia
encontrarmos cada vez mais livros com múltiplos gêneros ou cross-genre
como dizemos em inglês.

Para escrever bem, é preciso saber ler bem melhor. Assinado euzinha.

Entender gêneros diferentes pode ajudar você a escrever melhor – óbvio!

Sabendo as características de cada uma, te dirá o que você gosta mais e onde você se encaixa como escritor.

Não só isso, mas também pode ajudar a abrir o olho para como estão os negócios. Qual gênero vende mais e por quê.

Eu escolhi esses gêneros porque acho que são os mais lidos, mas levei em consideração o que gostaria de ler também. Ninguém merece ler coisa de q não gosta.

Esses são os gêneros/livros que escolhi para esse ano:

Janeiro: Drama

Eu queria ler um drama chinês. Procurei lá e decidi escolher o livro chamado “Paper Wife”, por Laila Ibrahim. A história se passa em 1912 e a protagonista se chama Mei Ling. Escreverei um post a respeito dele num futuro próximo. Já estou na metade.

Fevereiro: Comédia

Escolhi o livro: “It all Comes Back to You”, de Beth Duke. Tem ótimos reviews e parece ser realmente engraçado.

Março: Romance/Hot

Não sou muito fá de romance, mas de uns tempos para cá depois de ter lido alguns, como por exemplo, “O Destino do CEO”, de Carol Moura (quer saber mais do livro acesse aqui) e “Destinos Traçados”, por Daniella Moreno, resolvi continuar investindo nesse gênero tão bem quisto por, digamos, uma grande porcentagem do universo.

Enfim, vou ler de novo Dani Moreno de novo, com seu livro “O Beijo”. Não vejo a hora!

Abril: Comics – HQs (Histórias em Quadrinhos)

Eu tenho um aqui em casa, e nunca li, você acredita!? e acho que está na hora: Wolverine.

Maio: Poesia

Eu tenho em casa uma coletânea de poesias de Vinicius de Morais. Clássico! E eu amo, amo, amo. Eu li este livro a uns 10 anos atras. Acredito que está na hora de dar uma relida!

Junho: Ficção histórica/clássicos

Para esse mês decidi ler algo um pouco mais pesado: “War and Peace”, de Leo Tolstoy. Um clássico sobre a invasão de Napoleão na Rússia. E essa obra não é pequena não! Essa escolha acabou se enquadrando no gênero de clássicos também. Como disse acima, é comum encontrar gêneros mistos.

Julho: Memoir/ biografia

Outro gênero que de verdade nunca encontrei muito interesse, mas esse ano vai ser diferente! Escolhi o livro “In Search of Courage”, por Steve Friedman. Vamos ver como vai ser! Decidi ler um memoir até por pesquisa do gênero, estou estudando um caso em que talvez escreva um.

Agosto: Terror/suspense

Não escolhi nenhum livro para esse mês ainda. O engraçado é que acabei de notar que vou ler terror em agosto e não outubro. Hahaha. acho que vou escolher uma história do Stephen King, como sempre. Mas talvez leia outro escritor, sei lá. Mais detalhes por vir.

Setembro: YA – Young Adult (Jovem adulto)

Esse gênero é está crescendo aqui nos estados unidos principalmente. Uma mistura de jovem com decisões adultas a tomar, geralmente com muita magia ou fantasia. Outro gênero em que vemos o cross-genre.

Decidi no livro chamado “The Dividing”, de Devin Downing. Pela simples razão de que o tema é muito parecido com o do meu livro! Impressionante! Nada se inventa, tudo se reinventa. É uma pena não ter saído a trilogia completa ainda, mas estou animada para ler este.

Outubro: Manga

Eu não sei ainda qual vou ler. De verdade. Se tiver alguma sugestão, põe nos comentários pra nóis. Quando eu decidir, eu aviso, mas acredito que o manga é um gênero interessantíssimo. O que você acha?

Novembro: SciFy – Science Fiction (ficção cientifica)

Quero muito ler um livro sobre aliens. Qual? Não sei. Mais detalhes por vir. Afinal, é só daqui a 11 meses.

Dezembro: Não-ficção – Política

Eu não faço parte de nada e também não opino a nada, em nenhum país, mas se você quer escrever bem, acho que política é importante termos em mente. Como um professor de história um dia me disse: “política está em tudo o que fazemos, seja pequeno – como qual roupa usar para ir naquela festa – ou grande.”

Vou ler uma indicação do meu marido chamado: “A Corrupção da Inteligência”, por Flávio Gordon.

Acabouuu

Para os meses que ainda não tenho um livro definido, se alguém tem algum que gostaria de sugerir, ou se alguém escreve em um desses gêneros e gostaria que eu lesse, entrem em contato comigo!

Sinceramente não olhei se todos eles têm versão em português. Coloquei alguns links da Amazon para os interessados nos livros, mas quando for fazer a resenha de cada um, eu dou mais detalhes.

Até a próxima!

Poemas da minha juventude


Como todo ano, dezembro é um mês de limpeza para mim. Tornou-se mais um ritual. Roupas velhas, papeis e recibos desnecessários, caixas e embrulhos para presente tudo fora. Tudo no lixo (reciclável, claro).

E com esse detox da mente, encontramos muitas vezes preciosidades escondidas. Hoje me deparei com poemas, músicas (eu gostava de compor), sonetos que escrevi há uns quinze anos atrás. E eu resolvi me livrar das teias de aranha e poeira que encobriam as simples folhas de fichário, para dividir pelo menos dois com vocês!

Soneto dos Românticos

Sofro sim, assim pois meu amor

A doença terminal dos românticos

Jurados todos da pena de morte

Assim o sou tanto assim amor.

Assim como os que aguantam firme

digo que amo o amor dos românticos

Pois com a mesma intensidade

pois com amor, te amo firme.

E quem me disser o contrário

Que minto como os românticos,

Maldito sejam os contrários.

E se em mim não se achar solidez

Essa espiritualidade romântica

Que me contente, pois assim, a solidão.

Primavera

A folhas caem

O vento sopra

a primavera se vai

e o inverno retorna

Quantas noites irei chorar?

As arvores estão secas

e os pássaros cessaram seu canto

por que tu foste mais bela primavera?

Tu foste junto com as folhas,

flores e canto

Oh primavera não deixe de voltar

pois a ti é todo meu encanto.

Esperarei pacientemente

só pra novamente te ver brotar

Aguardarei ansiosamente

pra te ver voltar.

E aí? O que acharam dos poemas de minha juventude. Sim, são melancólicos, mas refletem como eu me sentia (de certa forma).

Comentem ai o que acharam! qual foi seu favorito? Por quê?

Até a próxima galerinha

2021 Chegou!

andreea-radu-9eUfhiJJhDc-unsplash (1)

Já estamos em Dezembro e, meu Pai, como o tempo correu! O que fizemos com o tempo que nos foi dado? Fazerm uma retrospectiva do ano, principalmente num ponto de vista profissional é importante para a carreira de escritor e nos ajuda ver o que podemos aprimorar como um todo.

Notícias Importantes

Covid 19 veio para nos assombrar. Eu estava no Texas quando tudo estourou. Lembro de sair de casa e ficar pensando, será que errei em sair hoje? Será que estou expondo minha família? Lembro de assistir vídeo atrás de vídeo sobre o que era a doença, como identificar, e os impactos, políticos, comerciais e sociais que estão sendo causadas.

Papel higiênico: por que é que ele é o primeiro que some numa crise? Agora que eu estou na Florida, as crises aumentaram e o nome da crise se chama época de furacão. Sim. Eu também tenho medo, mas por causa disso o papel higiênico parece que frequentemente não existe nos mercados especialmente de agosto a outubro.

Política: por causa das mortes da covid parece que uns 60 mil votos da corrida presidencial deste ano vieram de mortos-vivos. Sim. Exatamente o que vocês leram aí. Pessoas usaram o título de pessoas que morreram durante a crise para poderem votar com o nome delas. Passado isso. Parecia que eu ouvi dizer que o Trump não queria sair da casa branca. Não sei por quê. Pode ser fofoca também. Enfim. Viva o Biden e o partido democrata. Na minha opinião, acho que quatro anos não dá pra fazer muita coisa, então acredito que os próximos quatro anos vamos ficar na mesma.

O que tenho feito com meu tempo livre esse ano?

Jogar: Amo jogar vídeo game. E sinceramente joguei muito esse ano. Dead space1, 2 e 3, Infamous, Lego movie, estou jogando GTA, e aquele de Star Wars – The Fallen Order, eu acho que é esse nome. Mas espero diminuir o tempo de jogo para dar mais foco no que realmente interessa.

Ler: Não li tantos livros quanto eu queria. Apesar de estar em casa trancafiada, passei mais tempo limpando e correndo atras da criança do que lendo (e escrevendo). No começo do ano, eu cheguei a ler três livros por mês. Aqui estão alguns desses livros que li: Harry Potter e o prisioneiro de Askaban (relendo), Ative seu Cérebro por Dr. Caroline Leaf,  – muito bom, coletânea de contos de Edgar Allan Poe, estou terminando com Harry Potter e o cálice de fogo (relendo), Save the Cat! do Blake Snyder (não sei se tem em português mas para roteiristas de filme aspirantes é um livro maravilhoso). No próximo ano espero poder ler mais – é que toda vez que me sento pra ler tem um pequeno elfo a me perguntar: o que que você ta fazeno?

Escrever: no começo do ano, eu tinha estabelecido a meta de escrever mais no blog e finalizar o meu primeiro livro da série Guardados por anjos, mas como a vida é uma montanha russa, não deu. Muitas coisas aconteceram que me distanciaram de escrever. Mas acho que estou de volta à ativa e pronta pra trabalhar. Mas escrevi dois contos esse ano que estarei lançando logo logo em português e inglês.

Filmes: Assisti a muitos filmes, mas a série que, para meu pesar, acabou esse ano e que vai deixar muitas saudades é Supernatural. Ai Ai Ai meus queridinhos. Outros filmes que eu assisti inclue: Saga Star Wars (por incrível que pareça, nunca os assisti), Tenet (complexo, mas muito bom), Scoob! (sempre gostei do Scooby-doo), Mulan, The Croods, Joker (gente que filme).

Cozinha: Esse ano me dei a liberdade de aprimorar minhas habilidades na cozinha e aprendi a fazer macarrão caseiro (macarrão de caixinha nunca mais). E de Natal, me presenteei com uma batedeira super blaster e um processador transformers para me assistir nessa tarefa deliciosa. Oba!

Estudar: tenho estudado por conta para tirar uma certificação necessária para professores de inglês online: TOEFL. Mas não tenho estudado tanto quanto eu queria. Para o ano que vem, espero dobrar o tempo de meu estudo dividindo em TOEFL e criatividade da escrita.

Quais são meus planos para o ano que vem?

Escrever: Quero escrever mais contos. Sem querer querendo eu adquiri um gosto por esse gênero. E sinto que escrevo muito bem. Agora, não esqueci do meu livro. Terei que reformular ele inteirinho para a história funcionar. Também vou tentar postar aqui regularmente.

Criar cursos: Pretendo lançar cursos para escritores ano que vem. Pelo menos 2 cursos. Se você faz parte da minha lista de e-mails, fiquem no aguardo!

Youtube: queria tentar começar um canal no Youtube. O que que vocês acham? Pra reforçar meu blog e mostrar minha jornada de aprendizado de TOEFL. Eu já sou professora de inglês então acredito que seria legal criar um canal com um ponto de vista pessoal sobre como e o que estou estudando. O que acham da ideia? Conte pra mim nos comentários! Tem alguém aí interessado em tirar o TOEFL?

Encontro de escritores: estou planejando em abrir um grupo para escritores, onde possamos dividir nossos trabalhos, qualquer que seja o gênero, revisar juntos e nos manter inspirados a continuar escrevendo cada vez mais. O que acham disso? Eu acho que seria legal, até pra incentivar a escrever mais em português.

Meu maior desejo para esse ano: seria poder diminuir a minha carga horária da escola de inglês e poder focar em algum projeto grande, uma tradução, por exemplo. AH! E dormir mais e melhor. Com meus horários loucos da escola eu durmo cinco a seis horas por noite. Pra quem tinha o costume de dormir nove… estou com muuuito sono atrasado.

Espero que todos vocês tenham um lindo final de ano! Mantenham-se protegidos e que ano que vem seja melhor que esse!

Produtividade e Festas!

Durante as festividades ficamos meio a mercê das coisas que precisam ser feitas como, jantar, decoração, família. Sim, essas coisas são maravilhosas e eu acho que nunca deixarei de celebrar essa tradição!

Mas um escritor tem de se adaptar nesses momentos para não perder o foco e estrapolar metas.

Por isso, pensei em juntar aqui alguns pontos de como manter a produtividade e criatividade durante as festas.

Cada experiência de vida que temos é uma oportunidade para melhorarmos nossa escrita, adicionando novos sabores, detalhes aprimorados e conversas e cenários cada vez mais reais.

Se em algum momento na sua história você pretende incluir uma festa natalina ou de Dia de Ação de Graças abaixo estão alguns pontos e exercícios para você ficar ligado e fazer durante sua festa de Natal! Bora la:

  • Quem está na festa?

Anote quem vai na festa. Talves um parente bem distante que você nunca viu ou ouviu falar apareca lá e as vezes lembrar nomes depois fica difícil. Anote também o parentesco de cada um. Quem tem relação com quem. Quem é casado com quem.

  • Trace um perfil de personagem

É isso mesmo. Use sua família para descrever como são o personagens fisicamente, socialmente, trejeitos, gostos, o que gosta de comer, personalidade. É muito mais fácil ficarmos a vontade perto de familiares e acabamos diminuindo o filtro do que falamos e como falamos e é assim que surgem as pérolas. Note o tom de voz de cada um. Há sarcasmo na voz? A risada ou a voz é alta? Ou talvez não fale tanto, será por vergonha?

  • Note o cenário

Você está na casa de quem? Como está a decoração? Escrever sobre onde você está tendo sua festa de Natal é um exercício bacana para manter seus skills em cheque e assim não deixar de escrever um dia. Não deixe de escrever porque é Natal. Não custa nada parar 10 minutos e escrever sobre onde você está.

4. O jantar

Note como o jantar é organizado. O que está sendo servido? Onde está sendo servido? Na mesa, num balcão? Quem está servindo? Quem come rapido ou mais devagar? Note também o tipo de comentários e a resposta para eles. Conhecendo os personagens fica fácil em criar outros tipos de diálogos.

5. Tire alguém da equação

Uma celebração pode ser bem difícil depois da morte de alguém. Mais pra frente tendo já criado algumas histórias com seus novos personagens, tente escrever uma história onde os personagens têm de lidar com essa perda pela primeira vez. Pode ser interessante ver a reação de cada um dentro do texto.

Por hoje é só! Espero que todos nos tenhamos um lindo feriado cheio de paz e alegria!

Até a próxima!

Autônomo vs. Serie! Qual é o tamanho do seu livro?

Escrevi, escrevi e me deparei com um livro o dobro da grossura de “It” (Stephen King). O que fazer agora?

Tente responder a essas perguntas:

1- Como você pretende vender seu livro? Publicação tradicional ou auto publicação? Autônomo ou serie?

2- Qual é seu público-alvo? Seu gênero?

3- Você quer publicar em busca de uma carreira na área ou você apenas quer publicar por prazer?

Essas perguntas são importantes para você definir o que fazer com a protuberância da criança. Se o tamanho do manuscrito é algo que está te incomodando, continue lendo.

Sua história está completa?

Na fase de preparação para começarmos um livro (para a maioria dos escritores), iniciamos com uma pergunta (problema) que vai carregar a história e terá de ser respondida até o final dela (solução).

Um descuido natural de um escritor iniciante é começar a escrever com um problema e acabar desenvolvendo outros ao longo da escrita, de uma forma que no fim do livro você tenha que lidar com múltiplos clímax e soluções que poderá deixar seu livro repetitivo, o leitor entediado e com expectativas frustradas de como terminará a história.

Por isso que a criança fica protuberançosa!

Geralmente uma boa história o personagem tem que lidar com basicamente dois problemas:

1 – Problema interior – Ele(a) lida com os problemas dentro dele mesmo, “Eu sou o maior inimigo de mim mesmo”;

2 – Problema exterior – Ele(a) lida com o vilão da história, quem quer que seja. Isso vai de gênero e assunto também.

Ah, mas o meu livro não é tããão grande assim

Se uma carreira de escritor é algo que você não pretende perseguir, tenha certeza de que não há nenhuma cena mal resolvida, algo não esclarecido, ou uma brechinha de enredo. Porque se tiver, isso poderá deixar e leitor pensando em uma sequência quando sua intenção é apenas um autônomo. Se você acredita que esse não é seu caso, bota fé aí que vai dar certo.

Série ou Autônomo?

Muitas publicadoras quando você submete um livro, esperam que você volte com uma sequência ou dois. A razão é simplesmente porque um autônomo vai perdendo vendas com o decorrer do tempo. Em contraste, quando o segundo livro de uma sequência é lançado, o primeiro livro “volta a vida”, podendo duplicar as vendas.

Livros autônomos tem seu próprio estilo e público-alvo. Já vi leitores comentarem que as vezes é melhor um livro autônomo com detalhes impecáveis e personagens de se apaixonar, do que uma serie com histórias repetitivas e personagens cansativos. Utilizando suas características de forma correta, esse também poderia gerar um ganho estável.

Abaixo estão algumas diferenças:

Autônomo verdadeiro

Um autônomo significa que a história não deixa questionamentos em aberto para uma sequência. Tudo é resolvido dentro do livro. Personagens e o mundo da história são únicos do livro. Nada dentro dessa história vai te ajudar a entender outro livro.

Acontece muito de escritores iniciantes acharem que estão escrevendo um autônomo, mas quando começam a escrever o segundo, eles percebem que na verdade escreveram o primeiro de uma serie.

Autônomo episódico

Nesse caso, cada livro tem foco o(s) mesmo(s) personagens principais. Muitas vezes o cenário é o mesmo de livro para livro ou pelo menos terá algum elemento de mundo que passara de um livro para o outro. Mas, (e aqui é o truque) cada livro é independente. Enquanto o protagonista vai mudando um pouco de livro para livro (ganha experiência ou envelhece, por exemplo), essas mudanças são sutis e não essenciais para o entendimento da história. Ler uma serie dessa de forma aleatória não vai ser muito diferente do que ler em ordem cronológica. Agatha Christie tem uma sequência assim com as histórias de Hercule Poirot.

Um exemplo de Serie Autônoma

Serie – Uma grande história

Esse tipo de serie pode ser vista como se fosse uma história longa, começando com um grupo de personagens que acompanhamos até o fim. Para entender um caso no livro #3 você terá de ler o primeiro livro. Você poderá rever algumas histórias dos livros anteriores no início de uma nova sequência, mesmo assim o leitor poderá perder informações importantes para a história se não começarem do primeiro livro.

Histórias coincidentes

Essa modalidade é uma serie, porem com qualidades de livro autônomo deixando o no meio termo.

Aqui, cada livro contém os mesmos personagens e cenário, mas normalmente cada livro pode ser lido como forma independente. Cada livro foca em um ou dois personagens de cada vez com os outros servindo de secundários. Feito bem, você poderá integrar a história de fundo no início de cada livro para que o leitor não perca nada de importante dos outros livros.

O Retorno

Entendo que talvez você não queira escrever uma série. Mas olhando num ponto de vista mais empreendedor, seu produto seria vendável do jeito que ele está agora? Ou talvez, se você for submeter seu manuscrito a uma editora, você sente que o tamanho do seu manuscrito irá influenciar na aprovação? São perguntas importantes a considerar quando escrevemos um livro.

Se você nem pensou no fator tamanho, dividi-lo em uma série talvez não seria uma má ideia, sem contar que o lucro em cima de uma série será bem maior do que o de um autônomo.

Que vantagem maria leva? Minha conclusão

Depende da Maria. É importante ressaltar que tudo depende da sua história. De você, na verdade. Eu particularmente tenho uma trilogia a caminho. Mas estou trabalhando em uma história para ser um autônomo.

Acho que a vantagem é que você pode testar todos e ver em qual você se sente mais confortável escrevendo.

Espero que tenha sido informativo! Qual é o melhor para você? Comentem abaixo o formato que gostam mais de escrever ou pensam em escrever.

Bloqueio de Creatividade

Sem pensar muito já estamos em Outubro, dá pra acreditar?

Promessas de começo de ano já deveriam estar entrando nos eixos, sonhos se realizando, coisas acontecendo, mas ao invés disso o mundo parece ter engatado a marcha ré. Muito devido a essa doença maldita (porque não tem outra palavra melhor para definir essa doença).

Eu pra falar a verdade, sinto que engatei a marcha ré, pisei no acelerador e dormi no volante. Que saco!

Me desorganizei, parei de escrever, fazer exercício, começei a comer mais, a dormir menos, a viver menos (culpo o COVID por causa disso)… me falta força mental para fazer as coisas que gosto como tocar violão, escrever, traduzir, CRIAR. Apertei o botão do play do Netfrix e esqueci do universo lá fora! Que vergonha.

Eu tinha prometido que eu ia terminar de escrever meu livro esse ano e não to nem na metade.

Mas cansei! Vou parar de culpar o trabalho, ser mãe, o sono, preguiça, cansaço, a vontade de jogar video game, a fome, o raio que o parta.

Não, não estava em depressão ou coisa parecida, apenas deprimida. É dureza, João. (Torresmo à milanesa – música de Adoniran Barbosa)

Eu que deixei essas coisas acontecerem. E de pensar que escrever era pra ser meu refugio onde posso viajar e pensar: e se…? Criar o meu mundo, pessoas que amo e detesto, simplesmente por que eu posso. Simplesmente por que eu tenho essa caneta aqui em mãos agora. Não é uma carneta de tinta e de papel… mas também não precisa ser. Minha caneta pode ser o que ela quiser: música, poema, carta de amor e esperança. Essa minha careta pode ser também meu desabafo, tristeza e solidão. Talvez não seja uma notícia tão boa, talvez essa notícia não tão boa seja a melhor notícia para outra pessoa.

Minha caneta apenas traduz os sonhos de uma garota. Se não for essa, seria de outra pessoa que não é essa garota.

A forma que você lê as minhas palavras, é inteiramente, sem duvidas, apenas uma das biliões de interpretações que podem vir ao ler o mesmo que você.

Não é essa a beleza de escrever?

Mas essa não é a razão porque escrevo hoje; nem a beleza, nem a depressão. Esse texto é um certo desabafo devido a ausência da minha escrita.

Porque permiti que houvesse ausência? Por esperar de alguém um elogio, um passar a mão na cabeça, um apoio emocional?

Descobri que o espelho é meu maior aliado. Quando olho para ele, é ele quem me mantem com os pés firmes no chão. Atravez de espelho posso me elogiar e ganhar coragem de fazer o que tenho que fazer. Fazer o que eu amo fazer: Escrever.

Escrever durante a soneca da minha filha, no banheiro, enquanto almoço, entre um load e outro dos meus jogos de video game. Escrever enquanto meu marido estiver dirigindo, enquanto faço comida e ouço música.

Escrever usando comando de vóz, Ipad, digitar no PC, no MAC, usando lápis de cor, papéis coloridos, adesivos, postits, em inglês, português, ou tudo misturado.

Se você se sente como eu me senti, para o carro, engata a primeira e ACELERA!

Porque a vida é trem bala parceiro, e ele não vai esperar você decidir e que você quer fazer da vida.

Mande esse bloqueio criativo pra conchinchina! (Essa é velha) Você é mais que isso. Eu sou mais que isso. Bota a mão na massa gente.

Voltei a escrever meu livro e começei a escrever um conto novo hoje.

Prometo que semana que vem ele estará disponível na Amazon. Inglês e Português.

De qualquer forma, confie nos seus instintos e saia dessa seca. Volte a fazer aquilo que te completa. Volte a Escrever.

Busque outros eacritores pra te ajudar. Forme um grupo! Pelo amor de Deus, me liga se for o caso. hahaha

Mas mantenha-se firme.

Não vou prometer quando sairá o próximo post. Mas será logo e sobre dicas para te ajudar aí na caminhada!

Té a próxima!

Fique em casa e ganhe dinheiro!

Olá escritores de plantão.

Sim o mundo está em crise. Mas nós não precisamos estar.

Muitos devem estar se perguntando como é que vai fazer durante este periodo em quarentena e por isso criei aqui uma listinha rápida com 5 dicas para você ver que podemos ser produtivos e fazer um dinheiro sem mesmo sair de casa.

1. Focar no seu aprendizado.

Podemos aprender tudo na internet e não há nada melhor do que cursos gratuitos. Aprimorar nossos conhecimentos para aplicar no nosso business é fundamental para o sucesso.

Eu pesquisei na internet e encontrei alguns sites interessantes: 

  • WR Educacional : Esse é um curso voltado para revisão de texto. É gratuito e oferecem certificação. Aí você pagaria pela certificação (se você quiser)
  • Rock university  : Eles têm a versão gratuita que já te dá acesso a vários cursos como: marketing de conteúdo, revisão de conteúdo, branding, copywriting dentre outros. Se você gostar aí você pode mover para versão paga (mas é salgadinho)
  • Prime Cursos : também oferecem cursos diversificados. Infelizmente nada específico para escritores, mas oferecem cursos interesantes como Marketing digital, como ganhar dinheiro na internet, como usar a ferramenta SEO.

2. Investir tempo para escrever.

É meio óbvio dizer que todos nós estamos meio que com tempo de sobra. Investir tempo nos seus livros vai te ajudar a colocar algo no mercado mais rápido. Mais uma fonte de renda no seu bolso.

Deixe as crianças com o marido ou a esposa se esconda debaixo da mesa do seu escritório, ou se tranque no banheiro com o computador (não esquece o carregador porque se você sair do seu cantinho, já era) e es-cre-va.

3. Lançar um curso online.

O que você pode ensinar (bem) para outras pessoas? Use isso para criar mais uma fonte de renda com seu pequeno business de escritor(a). 

Pontos para levar em consideração: 

  • Fale sobre um tema do qual você ama. Não me ensine a fazer macarrão se você não é apaixonado por macarrão. 
  • Tenha certeza de que seu tópico tem demanda. Não perca seu tempo com algo que os outros não vão comprar. Tenha certeza de que esse curso vai render lucro.
  • Escolha um tema evergreen. Se você quer criar um curso online como fonte de renda mas não quer ficar atualizando a todo momento, então escolha um tópico evergreen. Exemplo: Criando bons personagens ou Criando o cenário perfeito, são tópicos evergreen sem muita manutenção. Agora: Como usar Facebook Ad para marketar seu livro, não é um tópico evergreen. Você terá que fazer atualizações constantes com novos parâmetros e dicas.
  • Divida seu projeto em pequenas tarefas. Para facilitar o aprendizado do aluno e providenciar satisfação para o cliente.
  • Desenvolva uma apostila. Isso adiciona muito valor para seu curso.

Agora se você me perguntar: mas eu so quero escrever um livro. Isso já não é suficiente?

Claro que é! Se você for o próximo J.R.R. Token. Claro. Você vai cagar dinheiro, meu filho. 

Porém, se você for como eu e sabe que essa realidade talvez esta um pouco distante, então não há nada de mal em ter fontes de rendas diversas. 

4. Lançar seu livro num flash.

Escritores não devem andar sozinhos. Apesar de sermos de uma certa forma concorrentes, em nenhum momento isso deve criar rivalidade entre nós. 

Se junte com um outro escritor e se vocês tem o manuscrito pronto mas não esta editado, edite o livro um do outro. Isso vai te ajudar a economizar dinheiro (e nessa crise todos nós precisamos) e seu livro vai sair mais rápido. 

Agora você tem um produto para vender e com as táticas de marketing digital que você aprendeu no primeiro ponto você tera boas chances de venda.

5. Buscar outros formatos de publicação.

Ter o livro publicado na Amazon somente pode não trazer a visualização e venda da Canva - Man Runningqual você esperava. 

  • Invista em outros sites de publicação, como o Ibook (da Apple). 
  • Busque outras formatos de venda para seu livro. Como por exemplo, tradução para uma outra língua, como o inglês ou o uso de uma plataforma diferente como o Audiobook. Essa é uma plataforma inovadora e crescendo de mais. As pessoas estão cada vez mais  multi-tarefando enquanto ouvem um livro. 

E aí? O que você planeja em fazer? 

Deixe nos comentários o que acharam das minhas dicas e, me contem o que vocês estão fazendo para ganhar uns trocados?

 

Inscreva-se!

Não sabe por onde começar a escrever. Inscreva-se já é adquira GRÁTIS a sua planilha de esboço!

Quero Escrever SIM!

Boa tarde a todos os escritores e inspirados de plantão!

Não publiquei nada mais cedo devido a bagunça imensa que tive em minha casa. Loucura total.

Mas deixando a bagunça de lado, quero poder dividir uma receita, a todos que anseiam escrever um livro, assim como eu. (to quase lá gente!)

Quando resolvemos seguir uma receita complicada, às vezes leva algumas tentativas pra acertar a dosagem, o tempo, haja paciência e claro, muito amor.

Cada pessoa que prepara uma mesma receita acaba dando um jeitinho de muda-la acrescentar um temperinho aqui outro ali, às vezes acaba dando certo, e outras muitas vezes temos que jogar tudo fora.

Escrever um livro não é tão diferente. O problema é que a receita para a criatividade é genérica. Sabemos qual é a estrutura (receita) de um, por exemplo, romance, mas como utilizamos essa estrutura vai de cada escritor.

Quando começamos uma receita, todos os escritores têm em comum uma coisa: começamos sempre com uma tigela vazia, ou no nosso caso, uma folha em branco.

E quando sentamos para preencher o vazio de uma página, as perguntas começam a tomar conta: por onde é que começo meu livro? Qual é a melhor forma de escrever? E se eu não for boa o suficiente? Qual é o gênero que quero escrever?

São perguntas validas e precisam de uma resposta sincera.

Eu ainda tenho minhas duvidas até hoje. Quero dividir algumas com vocês:

  • Será que estou complicando muito minha história?
  • Será que meus personagens são reais pra mim?
  • Onde é que o tempo foi parar? Por que já são nove da noite e tenho q acordar cedo para trabalhar.

Não adianta em que estágio em que você se encontra. As dúvidas sempre existirão. Não cabe a você julgar sua história e sim o mundo. Jogue essa responsabilidade para eles e vá trabalhar.

Sim, Mellany, deixe que o mundo julgue o que eu escrever, mas pelo amor de Deus me diz o QUE QUE É QUE EU ESCREVO?

Qualquer coisa!

Apenas comece de algum lugar. Qualquer lugar é melhor que lugar nenhum, já ouvi dizerem.

Comece com pequenas metas: escrever 5 minutos por dia. E vai aumentando.

SE ORGANIZE de alguma forma.

Crie um BRAINSTORM da sua idéia. O que você espera ter no seu livro? Romance? Carros explodindo? Um tesouro?

Comece a pesquisar sobre o assunto.

Crie um esboço pequeno da sua história.

Mas vamos com calma que vamos falar dessas coisas passo-a-passo.

Eu sei que é dificil, acredite! E pior ainda, para quem tem criança(s). Mas tenho que dizer, quando você se esforça um pouco a mais e acorda um pouquinho mais cedo e vê em suas mãos o resultado do seu esforço, não tem preço.

Sem mais delongas, essas 5 dicas irão auxiliar você pra preparar alguns ingredientes e dar início a sua receita ou melhor, te auxiliar a entrar no clima para escrever.

1. Pare de apertar o botão da soneca!!!

Escrever é mesmo seu sonho? Será que você é capaz de deixar sua cama meia hora mais cedo todo dia pra poder escrever pelo menos 5 palavras?

Se sua resposta é sim, então Pare de dizer que você esta muito cansado ou que não conseguir fazer nada certo na sua vida.

Pare de apertar o botão da soneca para seus sonhos. Eles, assim como qualquer outro tipo de trabalho, merecem seu respeito e dedicação, mesmo que a recompensa (financeira principalmente) não venha tão rápido.

Comece a escrever seu livro sem procrastinar.

Outro dia, uma pessoa muito especial pra mim me disse que só o fato de decidir escrever um livro, é uma glória, mas para quem termina um, é uma conquista.

2. Destrua o hábito de hesitar.

Sem mesmo perceber, nosso cérebro nos protege de situações e sensações ruins, as que não aconteceram e até as que nunca vão acontecer. É um sistema de defesa calculista e egoista para inibir a dor, mesmo quando ela é necessária.

Em um momento de dúvida ou advertencia o cérebro imite ao corpo uma espécie de hormônio para inibir uma ação ou reação, relaxando os musculos e fazendo-nos colocar um pé para tras.

christian-gertenbach-SmPp0sUn8TY-unsplash

Esse hormônio é liberado até nas ações e decisões mais simples de nossas vidas como por exemplo, escolher sair ou ficar em casa, decidir visitar a sogra ou não, comer macarrão ou dormir para deixar a fome passar. Ele também e liberado quando se trata de sentimentos.

Será que digo o que sinto? E se ele(a) me rejeitar? Se eu contar essa minha idéia durante a reunião, será que perderei respeito de meus colegas? Será que essa idéia é boba mesmo?

É nesse momento que nosso cérebro entra em ação com seu hormônio, nos faz HESITAR e acabamos não fazendo nada. Podemos perder um amor. Uma promoção. Um aumento. Perdemos uma oportunidade de crescimento.

Para quebrar esse habito que muitos de nós nem percebemos que cometemos (eu faço de mais!!) exige muita vontade própria, dedicação e auto-conhecimento.

Não tenha medo de se espor e nem de tomar atitudes nunca

spacex-530583-unsplash tomadas antes. Pare pra pensar no que você é capaz de fazer.

Um estudo psicológico comprova, que o cérebro leva em torno de cinco segundos para liberar esse hormônio e uma forma efetiva de quebrar esse habito é contar até cinco de tras para frente como se você fosse um foguete presetes a ser lançado no espaço. 

Essa técnica exige uma concentração maior do cérebro do que se fossemos contar naturalmente, enganando-o, impedindo o hormônio de ser liberado e dando espaço ao comprometimento.

3. Escreva e leie 

Você já tem uma idéia, então escreva. De forma linear ou não. Não importa quantidade ou forma do conteúdo. Você tem que começar de algum lugar. Escreva na hora em que a idéia surgir, para evitar esquecimentos de detalhes importantes. (eu sou craque nesse)

Já escreveu? Então leia a respeito, pesquise sobre o tema, busque escritores que já falaram do assunto e encontre seu diferencial.

Não pare por ai! Leia outros gêneros também. Aliás: leia, leia, leia. Incansavelmente, constantemente, com toda sua mente.

É como Lisa See disse:

“Leia mil livros, e suas palavras fluirão como um rio” – Lisa See

Escrever um livro hoje implica ler um pouco mais do que uma pessoa que não tem a intenção de escrever. Precisamos conhecer as nuancas de cada gênero para conhecer o nosso próprio. Precisamos entender onde estão as fronteiras de cada um e como podemos atravesá-los.

Hoje em dia muitos livros misturam tipos de gêneros – uma hora é romance, outra é suspence, então é bom dar uma lida em todos, mesmo naqueles que você não gosta. Eu por exemplo, não gosto muito de romance, (eu to falando daqueles romances melados cheios de drama) se eu percebo isso num livro, já perco um pouco do interesse. MAAAS, tenho que ler, né. Como vou saber as características do gênero, se eu não leio?

“É verdade, aprender a escrever faz parte de aprender a ler. Tudo que sei é que a escrita sai de uma devosão superior à leitura.” — Eudora Welty

4. Mantenha um diário

Untitled
Veja como organizei meus personagens, lugares e pesquisas dentro do Scrivener

Onde você possa escrever tudo referente ao seu livro.

Pode ser um caderninho, uma agenda ou em nuvem. Como você se sentir melhor. Nesse diário você não vai escrever seu livro e sim, por exemplo, pesquisas a respeito de seu livro. 

Eu tinha um em papel, mas depois que conheci Scrivener, todas as minhas pesquisas de campo estão lá junto com meu livro de forma linda e organizada.

Agora, eu manenho uma agenda para coisas que não tenho como, transferir para o Scrivener (ainda), como por exemplo símbolos de uma língua antiga que eu inventei, idéias para a capa. O que tenho feito é tirado foto dos desenhos e armazenado dentro do Scrivener por enquento.

5. Agenda

Crie um calendário onde você possa detalhar as coisas das quais tem que fazer no seu dia-a-dia e para o seu livro.

To falando de tudo mesmo, até o que você faz na hora do seu almoço (é incrível o quanto eu consegia fazer em 30 ou 40 minutos na hora do meu almoço).

A minha agenda é um pouco mais flexível devido à minha cria e ao meu trabalho. Resolvi criar uma rotina em que nós duas possamos tirar proveito do tempo que temos juntas. Eu decidi por como prioridade o tempo que tenho com ela para ensinar as coisas pra ela.

A minha dica para quem tem os filhos todos criados, ou até para quem não os tem, é o método Pomodoro. Ajuste sua agenda para conter espaços de 25 em 25 minutos com intervalos de 5 a 10 minutos entre cada um. É comprovado cientificamente que nosso cérebro trabalha mais eficientimente em blocos de 25 minutos (onde você foca todas suas forças), e pausas regulares. 

Só com uma agenda detalhada é que você vai conseguir ver quanto tempo dura uma tarefa e quanto tempo você realmente tem. Essa agenda também pode ser um motivador seu.

Bom por hoje é só, e são tantas formas para se organizar e escrever! Comente abaixo o que você faz pra se motivar e se manter organizado!

Escreva feliz!!! E até a próxima!