Dê vida aos lugares por onde seu livro passa. (Diário do Livro)

eugenio-mazzone-190204-unsplash.jpg

Feche os olhos um pouco… (pera aí… não vai dar certo isso) Abra seus olhos e as portas da imaginação e se veja neste lugar:

Levantei da cama com o susto, vi que o chão estava molhado. O barulho que ouvi do banheiro não foi pequeno, espero que não tenha acordado os vizinhos. Ainda com o coração correndo uma maratora, fui checar o estrago, mesmo molhando meus pés nessa água marrom. Que nojo. Me deparei com a privada jorrando bosta por todo banheiro.

Que nojo!!! Conseguiu se ver l? Espero que não por que… credo… ai… vamos mudar de assunto!

O que é um cenário?

Minha definição é: tudo que não envolva diálogo, nome de personagem e título é um cenário. Ou seja, o desenho que você pinta atrás do personagem, o background da história. O intuito do cenário é levar o personagem(ns) a efetuar uma ação ou um diálogo dentro de um determinado tempo e espaço.
Tem que fazer sentido para a época e o local em que você esta escrevendo.

Não adianta criar uma história no seculo XVIII e colocar lá um cara dirigindo uma ferrari (a não ser que ele tenha a possibilidade de viajar no tempo com ela. O que pode ser possível dentro de uma ficção)

Invista em entender a época/local em que você quer escrever. Pra isso exige muita pesquisa de campo. (não tanto, também)

Por que o cenário é tão importante?

O cenário é o quadro que você pinta para seus leitores adimirarem. Porém, não so apenas para contemplação, mas para a experimentação (essa palavra existe, né? se não adiciona aí no dicionário) também.

Um bom cenário é aquele lugar onde o leitor pode abrir a porta, sentar do lado do personagem e talvez até conversar com ele.

Mas não adicione muitos detalhes irrelevantes como por exemplo: qual que é a posição da cama? Em que parede fica a porta do banheiro, ou da saída? Quantos passos até o carro? Isso faz com que sua descrição se torne muito longa e chata para o leitor. Dê espaço para a imaginação e procure adicionar descrições pertinentes à história da cena.

Se seu personagem esta numa floresta e, do nada, ele vê um lago tranquilo e do lado do lago um altar pagão, sei lá, cheio de corpos em cima, isso já é descrição suficiente para seu leitor se interesar pelo cenário e não precisa saber as dimensões do altar nem a distância milimétrica dele do lago.

Seus cenários são reais ou não?

Por isso separar um espaço no seu diário só para essa parte.

Inclua imagens dos lugares por onde seus personagens vão passar. pesquise os costumes, a língua e atividades do local/época.

Por exemplo: se seu cenário é em São Paulo e seu personagem esta com o coração quebrado e quer esquecer os seus problemas, pra onde você acha que ele vai? (eu diria barzinho, pra afogar as máguas. Não tem coisa melhor para um personagem, né?)

Se eles não forem reais, qual é a base que vai usar para seu cenário fictício? Quais são as comidas naturais, nomes de lugares, língua usada, características do personagem. Inclua imagens psicodélicas que façam sua imaginação fluir melhor para descrever algo incomum para o leitor. (Incomum com um “Q” de comum)

O que considerar num cenário/cena?

Quando preparado para escrever seu cenário pense em usar os sentidos do seu leitor para trazê-los à vida.
Use visão para descrever o que seu personagem vê.

Mas não se preocupe muito com delalhes como, “a cadeira estava no canto esquerdo do quarto, virada para parede”, a não ser que você queira dar um suspense do tipo: ” o quarto estava todo escuro com apenas a cadeira no canto esquerdo, virada pra parede e sentado nela estava uma sombra”. A cadeira fez sentido para o segundo exemplo, pois o cenário da sua história girava entorno dela.
Use olfato para descrever o cheiro que o personagem sente em um cenário.

Se seu personagem está no meio de uma floresta, qual é o cheiro que ele sente no local? “Enquanto, perdido na noite da floresta, senti cheiro de fumaça. Alguém estava por perto.”

Ou continuando com o exemplo usado para a visão: “Enquanto paralisado em frente àquela sombra, senti cheiro de morte”.
Use a audição para descrever os sons do local.

Se você ta na cidade, é claro que vai ouvir barulho de carro, conversas e talvez bagunça.

Ou talvez a falta de som seja uma descrição também: “o quarto estava todo escuro e o silêncio era ensurdecedor.”
Use o paladar para descrever o gosto das coisas.

Se seu personagem sem querer engole água do mar, você poderia dizer: “foi como engolir a seco um copo de sal”.

Se seu personagem passou mal, descreva o gosto ruim da sua boca. Ou se ele esta discutindo com alguém de forma bem agressiva, você pode dizer que sua boca estava seca de tanto falar e dava pra sentir o gosto da azia por causa do nervoso, ou a amargura que sentia na boca depois de ouvir umas verdades.
Por fim, use o tato para descrever a sensação que seu personagem tem em contato com algo.

Se seu cenário é numa praia, descreva a sensação que é ter os pés cheio de areia entre os dedos, ou se um bicho bem nojento cair da árvore e em cima do seu personagem, qual é a sensação que ele teve quando o bichinho cheio de patas, entrou debaixo de sua roupa e desceu pela sua espinha. (Uiuiui)

Usando aquele primeiro exemplo da cadeira de novo (gostei do meu exemplo assustador): ” em um instante a sombra estava diante de mim e agarrou o meu pescoço com sua mão gélida, me fazendo tremer por inteiro.”

Ponto de Vista

Qual é o personagem ou ação em questão na cena? Se sua hisria for dirigida por personagens considere um ponto de vista em primeira pessoa. Ou se você quer focar na ação da história e não um personagem pense em usar o ponto de vista em terceira pessoa onisciente.

Qualquer tipo de ponto de vista que você decidir para sua história ajudará seu leitor a abrir a porta da imaginação para a realidade.

Falaremos mais pra frente sobre quais são os tipos de pontos de vista e de como usá-los.

Então, caprichem nesse espaço separado especialmente para juntar informações sobre os locais dos quais irá falar. E use também esse espaço como um exercício de escrita usando diversos sensos e pontos de vistas para descobrir qual se encaixa melhor na sua obra.

Semana que Vem!

jeshoots-com-462287-unsplash

Vamos falar sobre formas de escrita como Esboçar e Randomizar. Suas diferenças e em qual você se enquadra melhor! Até lá!

Escreva feliz!

Autor:

Amo ler, escrever, editar, traduzir, ensinar! Minha paixao e minha familia e sonho um dia em estar entre os 10 livros mais lidos do mundo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s